sexta-feira, 25 de junho de 2010

Se você soubesse do que eu seria capaz pra pelos menos uma vez poder te tocar, mais uma vez poder ouvir você dizer que sou sua e me abraçar forte. Ou então, como é ruim acordar, olhar pro lado e você não estar. Procurar seu cabelo, seu cheiro, suas mãos e não encontrar ... Ah, se você soubesse como eu daria tudo pra poder passar meus dedos sobre sua face enquanto seus olhos doces adormeciam. Se você soubesse como esse simples toque me faria feliz, se você apenas acreditasse quando eu dizia que te amava, se você cumprisse suas juras eternas hoje eu não teria me tornado essa pessoa fechada, hoje eu não teria medo como estou tendo, hoje eu estaria sorrindo ao invés de chorar. Se você cuidasse de mim da mesma forma que eu cuidava e acariciava sua face enquanto dormia, hoje eu teria alguma direção.

E agora?


Se eu ao menos pudesse dizer tudo que eu sinto, se eu ao menos pudesse descrever como esse aperto no peito tem aumentado. Eu não sei quando, nem como vou conseguir expressar isso, aliás eu acho que as verdadeiras dores, os verdadeiros sentimentos, jamais conseguem ser demonstrados.

Mas na noite, quando procuro seu corpo e você não está ... Eu gostaria de poder dividir isso com alguém, eu gostaria de ter alguém que entendesse essa dor, tão forte quanto ela é.

Não acho que isso seria possível, por isso sei que isso levarei comigo, só comigo por onde eu for. Sinceramente, tudo que eu vejo me faz lembrar você, talvez por isso as pessoas perguntem porque tenho fechado meus olhos. A verdade é que quando os fecho só tenho lembranças boas, só tenho motivos pra sorrir e agradecer e talvez por isso eu tenho os fechado tanto ... Pois só assim, você ainda é minha.

Deito na cama e procuro respostas, pego seu casaco e me cubro. O despertador toca e eu o desligo e volto a dormir, seu casaco continua em mim, suas lembranças ainda são tão presentes que meus sonhos são teus, acordo assustada sem saber pra onde ir, sem saber que roupa usar, sem saber porque acordar.

Levanto-me e tento fazer com que as águas do chuveiro, caiam e vão embora levando todo esse sentimento. Fecho o chuveiro e percebo que nada mudou. Está tudo igual ... A dor continua aqui, meu medo está mais vivo do que nunca, sua voz não sai do meu pensamento, você está presente em todos lugares que vou, em todos os rostos que olho ... Mas isso é ilusão, você não está mais aqui. Por culpa minha? Sua? Destino? Porque? Aquela frase: ‘Não dá mais, vai ser melhor assim’ não sai da minha cabeça e eu tento encontrar alguma resposta que me convença o bastante pra deixar de te amar. Você não está aqui e eu preciso me acostumar com isso.